ALGUNS ASPECTOS DA MPB

Atualizado: 25 de abr.



Por Euclides Amaral



A origem do vocábulo “Choro”


Ao lado da modinha e do lundu (séculos XVIII e XIX), da polca e do maxixe (século XIX), o choro (séculos XIX e XX) fixou-se como uma das primeiras manifestações musicais urbanas da cultura popular brasileira.


Sobre a origem do vocábulo “Choro” existem várias teorias e explicações, das quais destaco apenas quatro, todas, muito bem fundamentadas por pesquisadores respeitados.


A primeira explicação cabe a uma vertente que acredita ser a palavra uma derivação do latim: “chorus” (coro).


Outra vertente de pesquisadores, como a encabeçada por José Ramos Tinhorão, afirma que o termo é derivado do verbo “chorar”. O choro lento (influência do lundu chorado ou doce lundu), por parecer um lamento lembra o verbo “chorar” e quando os instrumentos de cordas, principalmente o violão, são tangidos ao mesmo tempo para o acompanhamento da flauta, lembram um quê de melancolia.


Uma terceira explicação seria do folclorista e etnólogo Luís da Câmara Cascudo, que afirma ser a palavra uma derivação de “Xolo”, certo tipo de baile que os escravos faziam nas fazendas. Da palavra derivou o vocábulo “Xoro”, que foi alterado para “choro”.



Já Ary Vasconcelos acredita que a palavra é uma corruptela de “Choromeleiros”, certa corporação de músicos do período colonial que executavam as “charamelas”. Segundo Henrique Cazes, os instrumentos de palhetas “charamelas” são precursores dos oboés, fagotes e clarinetes.


Na primeira década do século XX o termo “choro” já denominava o gênero como uma forma musical definida e não mais como sinônimo de uma roda de músicos que executavam músicas populares.


Considerado “O Pai dos Chorões”, Joaquim Antonio da Silva Callado Júnior (1848-1880) pertenceu à primeira geração do choro e formou o “O Choro Carioca”, o primeiro grupo instrumental de que se tem notícia.


Portanto, cabe ao leitor a escolha.




Publicou 12 livros, entre os quais “Sapo C/ Arroz” (poesias/1979); “Emboscadas & Labirintos” (Contos/1995); “Alguns Aspectos da MPB” (Ensaios/2008); “O Guitarrista Victor Biglione & A MPB” (Perfil/2009) e “A Letra & A Poesia na MPB: Semelhanças & Diferenças” (Ensaio/2019). Pesquisador musical trabalhou para PUC-Rio, UNI-Rio, UERJ, UFRJ, Biblioteca Nacional, Instituto Antônio Houaiss, CNPq, FINEP, EMI-ODEON e Dicionário Cravo Albin da MPB. Foi curador de projetos musicais, tais como “Quintas no BNDES” e “Novo Canto”. A partir de 1978 atuou como produtor de discos. Participou de seis CDS e um DVD de parceiros. Em 2012 lançou o CD “Quintal Brasil: Poemas, Letras & Convidados” com 17 faixas interpretadas por parceiros e cantoras (es), declamando oito poemas. Em 2022 lançou o CD “Perfil: Poemas, Letras & Convidados”, no qual foram gravadas, por parceiros e intérpretes, 17 faixas e declamou dois poemas. Letrista com cerca de 90 composições registradas por Anna Pessoa, Luiz Melodia, Mário Bróder e Pecê Ribeiro, entre outros. Dos seus quase 50 parceiros constam Amarildo Silva, Cacaso, Carlos Dafé, Claudio Latini, César Nascimento, Eliane Faria, Elza Maria, Ivan Wrigg, Joel Nascimento, Marko Andrade, Reizilan Cartola Neto, Renato Piau, Reppolho, Rildo Hora, Rubens Cardoso, Victor Biglione e Xico Chaves. Saiba mais em dicionariompb.com.br e wikipedia.org/wiki/Euclides_Amaral.


Foto Ricardo Poock;





40 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo